fale conosco Fale conosco
facebook twitter youtube

 

05/09/2019
Corte de Bolsonaro no Minha Casa Minha Vida vai aprofundar o desemprego



A+ A-
Tamanho da letra
Para sindicalista, medida do governo praticamente acaba com o programa e vai exclui população mais pobre ao direito da moradia, além de afetar negativamente a economia do país

Escrito por: Érica Aragão e Marize Muniz

Agência Brasil

 O primeiro orçamento preparado pelo governo de Jair Bolsonaro (PSL) reduz drasticamente os recursos dos programas sociais que atendem os mais pobres e combatem as desigualdades e, ao invés de resolver, vai aumentar o problema do desemprego que já atinge mais de 12 milhões de trabalhadores e trabalhadoras.

O maior corte é no programa Minha Casa Minha Vida (MCMV), criado pelo governo do ex-presidente Lula, e vai acabar com o sonho da casa própria de milhões de brasileiros com renda de até R$ 5 mil. Criado em 2009, o programa habitacional atende três faixas de renda com subsidio direto. A primeira faixa atende família com renda mensal de até R$ 1.600, 00 e custeia cerca de 90% do valor das moradias; a segunda, que é destinada a famílias com renda mensal de até R$ 3.275,00, ajuda a diminuir as taxas de juros dos financiamentos; e terceira faixa cria condições favoráveis para a compra de imóveis para famílias com renda de até R$ 5.000,00.

Entre 2009 e 2014, o Minha Casa, Minha Vida contratou 3,4 milhões de casas e apartamentos em todo o país e entregou 1,7 milhão, beneficiando cerca de 6,8 milhões de brasileiros.

Com o menor orçamento da história, a previsão de investimento no programa para 2020 é de apenas R$ 2,7bilhões. Este ano, primeiro ano da gestão eleita pós-golpe de estado, o orçamento já havia caído para R$ 4,6 bilhões.  A média destinada ao MCMV foi de R$ 11,3 bilhões entre 2009 e 2018.

Além de acabar com a política habitacional para os mais pobres, a redução de 41% nas verbas do programa vai aumentar ainda mais as taxas de desemprego e levar várias construtoras a falência.

A avaliação é do presidente da Confederação Nacional dos Sindicatos de Trabalhadores nas Indústrias da Construção e da Madeira filiados à CUT (Conticom-CUT), Cláudio da Silva Gomes, o  Claudinho. Segundo ele, o corte praticamente extingue o MCMV e trará um aprofundamento do desemprego em 50% do setor.

“Será um aprofundamento do desemprego jamais visto, porque dentre os trabalhadores da construção civil que estão empregados hoje no Brasil, o programa MCMV responde por 52% da mão de obra”.

“Além disso”, prosseguiu o dirigente, “muitas construtoras vão quebrar, a economia vai piorar e até o setor financeiro vai sentir, já que o financiamento vai cair demais”.

A decisão tem potencial de aprofundar a crise econômica para  além da construção civil, garante o economista do Dieese, Alexandre Ferraz.

De acordo com ele, a cadeia produtiva da construção civil é gigantesca, envolve milhões de serviços e produtos e tem uma capacidade de geração de emprego e de inovação muito grande. O desenvolvimento deste setor, diz o economista, contribui muito para novas tecnologias produtivas, de sustentabilidade e para geração de emprego e renda.

“Se antes você gerava em torno de 70 mil empregos, depois, com o acesso ao FGTS para o financiamento da casa própria, você passou a gerar praticamente 1,5 milhão de empregos/ano. E isto é muito significativo”, disse Alexandre Ferraz, que completou: “Nós temos um Brasil antes e um depois do programa, o país mudou completamente. É isso que este governo está destruindo”.

Déficit Habitacional

O economista do Dieese afirma que a decisão do governo é equivocada porque trava o desenvolvimento de um setor importante para a economia do país e cruel porque impacta duramente a população mais pobre e mais carente que precisa dos recursos do governo para sair do aluguel.

“O programa estava combatendo o déficit habitacional e também contribuindo com o desenvolvimento do setor da construção civil ligada a habitação e que é um dos principais motores do desenvolvimento do país”, explicou.

Não podemos ignorar, ainda, diz o economista, que “boa parte dos brasileiros não tem capacidade de pagar nenhum financiamento e depende exclusivamente dos aportes do tesouro nacional e dos recursos orçamentários. O corte no orçamento do Minha Casa, Minha Vida vai tirar da população mais pobre o direito à moradia”.

Claudinho concorda e complementa que a política habitacional do país vai regretanto com este corte que será intensificada a volta de ocupações as margens das cidades e em mangues.

“Com o projeto foi possível tirar as pessoas que moravam em áreas de riscos e também diminuir o número de favelas nas cidades. Com estes cortes do Estado em política pública social, a gente vai ver a volta do processo de favelas nas margens das cidades, o aumento de pessoas em situação de rua e ocupação em áreas de preservação ambiental para que o mais pobre possa ter um lugar pra morar”, concluiu Claudinho.



Fonte: https://www.cut.org.br/noticias/corte-de-bolsonaro-no-minha-casa-minha-vida-vai-aprofundar-o-desemprego-39f5

 

 



2010-2019. Sindicato dos Trabalhadores em Processamento de Dados, Serviços de Computação, de Informática e Novas Tecnologias da Informação do Estado do Ceará | Sede: Avenida Tristão Gonçalves, nº 1250 | Centro | Fortaleza - CE | CEP: 60.015-001 | Fone: (85) 3048-1414 / (85) 3048-1403 / (85) 3048-1401 / (85) 3048-1410
Código Sindical: Nº 914.005.436.02860-3 | Web site: www.sindpdce.org.br | E-mail: falecom@sindpdce.org.br
Atualizado pela Assessoria de Comunição do SINDPDCE, Wanessa Canutto