fale conosco Fale conosco
facebook twitter youtube

 

04/01/2018
NÃO AO DESMONTE DAS EMPRESAS PÚBLICAS




Foto: Fenadados
A+ A-
Tamanho da letra
CONTRA O DESMONTE DAS EMPRESAS PÚBLICAS E A RETIRADA DE DIREITOS DOS TRABALHADORES


As medidas adotadas e as anunciadas pelo governo interino do Brasil constituem uma sanha golpista contra as conquistas sociais da Constituição de 1988, os direitos trabalhistas e as empresas públicas criadas na primeira metade do Século XX.


 


Essa constatação está visível na Medida Provisória 727 que, conforme analisa a revista Fórum, “praticamente põe fim ao rigor da Lei de Licitações e Contratos Públicos, criando instrumentos para uma desestatização acelerada”. A palavra de ordem é privatizar a qualquer custo, entregando nossas empresas a preço de banana à iniciativa privada. O fim do Fundo Soberano e a abertura da exploração do pré-sal para as multinacionais do petróleo são prévias de um processo mais amplo de privatizações, “parcerias” e concessões ao capital nacional e internacional. O resultado dessa política será mais desemprego e enfraquecimento da nossa soberania.


 


Não bastasse isso, o interino e sua equipe econômica propõem limitar os gastos sociais, desvinculando investimentos obrigatórios no Sistema Único de Saúde Pública (SUS), na educação e em políticas sociais que, hoje, beneficiam milhões de brasileiras e brasileiros.


 


No campo do trabalho, o desmonte começou na Previdência Social com o claro propósito de realizar uma reforma que retira direitos de aposentados e trabalhadores na ativa, como a instituição da idade mínima e a desvinculação de benefícios previdenciários do salário mínimo. Isso significa dizer que aquela certeza que todos tínhamos de ter o salário mínimo como piso de aposentadoria morre com a instalação desse governo neoliberal e reacionário.


 


Além do mais, a agenda regressiva de flexibilização de direitos trabalhistas, terceirização, extinção da política de valorização do salário mínimo e prevalência das negociações coletivas sobre os direitos legislados se mantém pairando sobre nossas cabeças. Os golpistas alegam que os direitos básicos serão garantidos, mas ignoram a saúde do trabalhador e da trabalhadora ao propor, por exemplo, apenas alguns minutos para refeições e outras precarizações. Suas políticas não visam pessoas, mas sim – e exclusivamente – números.


 


Diante deste quadro que se demonstra catastrófico para os trabalhadores e trabalhadoras, como de resto para toda a sociedade, a diretoria do Sindpd-RJ se posiciona contra o governo golpista e seus ministros e secretários envolvidos em todo tipo de falcatruas, como a mídia tem noticiado todos os dias.


 


Não ao golpe!


 


Fora golpista e seu time de corruptos!


 


Não à retirada de direitos dos trabalhadores e trabalhadoras!


 


Não ao desmonte de nossas empresas públicas!


 


Fonte: Fenadados

 



2010-2018. Sindicato dos Trabalhadores em Processamento de Dados, Serviços de Computação, de Informática e Novas Tecnologias da Informação do Estado do Ceará | Sede: Avenida Tristão Gonçalves, nº 1250 | Centro | Fortaleza - CE | CEP: 60.015-001 | Fone: (85) 3048-1414 / (85) 3048-1403 / (85) 3048-1401 / (85) 3048-1410
Código Sindical: Nº 914.005.436.02860-3 | Web site: www.sindpdce.org.br | E-mail: falecom@sindpdce.org.br
Atualizado pela Assessoria de Comunição do SINDPDCE, Wanessa Canutto