Destaques

Desmonte da Dataprev está gerando fila de mais de 15 mil atendimentos represados e risco de apagão nos atendimentos da empresa ao INSS

13 de fevereiro de 2020

Após a forte greve da DATAPREV que atingiu 27 regionais, contra a demissão de 494 trabalhadores, o fechamento de 20 regionais e a privatização da empresa, houve acordo no TST para suspensão temporária das demissões e suspensão da greve. O fato novo é que os trabalhadores que voltaram ao trabalho não estão conseguindo exercer as suas funções nas 20 regionais ameaçadas de fechamento, por ordem da direção da empresa. E os problemas se agravam, pois antes da greve o número de atendimentos pendentes era muito pequeno, agora estão em mais de 15 mil. Estes atendimentos eram feitos nas 20 regionais que estão sob ameaça de fechamento.

A política do governo Bolsonaro, especialmente do ministro Paulo Guedes e do secretário Salim Mattar de ataque profundo à empresa, com o aval da direção da Dataprev, é irresponsável com os serviços prestados a população e está colocando o país num verdadeiro apagão. Agora além da gigantesca fila no INSS poderemos ter outros problemas relacionados a falta de atendimentos dos chamados que eram realizados pelas regionais que estão ameaçadas de fechamento. Querem precarizar e desmontar para justificar a venda da Dataprev e desmoralizar os servidores públicos do INSS. A situação se agrava pelo fato de que, segundo informações de colegas, tem trabalhadores no Rio de Janeiro que estão sendo demandados pela gerência a fazer hora extra para atuar nestas demandas represadas na área do atendimento.

– Não abrimos mão, a luta é pela manutenção do emprego de todos os trabalhadores
– Não ao fechamento dos 20 escritórios
– Basta de desmonte e privatização da Dataprev e do Serpro Fenadados, sindicatos

FONTE: FENADADOS
FOTO: REPRODUÇÃO

Leia também

Cadastre-se e receba e-mail com notícias do SINDPD